sustainable clean energy

Transição energética

Energias Renováveis, Sustentabilidade

A redução das emissões de carbono ocorrida devido à pandemia fez-se à custa de restrições sociais e económicas sem precedentes. O desafio atual está em alcançar um desenvolvimento económico robusto, sem retomar o mesmo nível de emissões anteriores aos da pandemia. O futuro passa por tornar a energia limpa ainda mais atraente para os investidores, abrindo caminho para uma recuperação que acelere a transição energética

O caminho de progresso em direção à energia limpa

A pandemia impôs restrições sem precedentes à atividade social e económica – particularmente na mobilidade – com fortes impactos no uso de energia. O consumo global de energia deve contrair 6% em 2020, a maior queda nos últimos 70 anos.

As emissões globais de carbono reduziram-se significativamente este ano (atingindo o menor nível desde 2010) como resultado das grandes interrupções nas viagens, no comércio e na atividade económica provocadas pela pandemia.

O robusto crescimento económico de 2019, estava longe da redução anual de 6% exigida no Cenário de Desenvolvimento Sustentável da Agência Internacional de Energia (AIE) e que está totalmente alinhada com as metas climáticas do Acordo de Paris.

E a história diz-nos que, infelizmente, após crises económicas passadas, as emissões recuperaram rapidamente à medida que as economias recuperaram também. Embora a crise atual possa ter acelerado algumas mudanças estruturais – como o declínio do carvão na Europa – a queda temporária do uso de energia resultante de restrições em massa à mobilidade está longe de ser suficiente. Políticas governamentais inteligentes e ambiciosas serão necessárias para que os ajustes estruturais sustentados permitam alcançar as metas climáticas de longo prazo.

Transição energética

A quebra na economia mundial afetou principalmente a procura pelo petróleo, o que, por sua vez, limitou as emissões de combustíveis fósseis que contribuem para a atual crise climática. E isso, à partida, pareceria bom. Mas o declínio acentuado no mercado de petróleo pode também minar as transições energéticas limpas, reduzindo o impulso das políticas de eficiência energética, significando uma desaceleração na transição de energia limpa no mundo.

Ainda assim, a pandemia e o colapso dos preços do petróleo oferecem uma oportunidade para considerar uma nova abordagem que viabilize a transição energética de forma sustentável, com uma colaboração verdadeiramente global que ajude também na recuperação.

O investimento em larga escala para impulsionar o desenvolvimento e a implantação de tecnologias de energia limpa – solar, eólica, hidrogénio, baterias e captura de carbono (CCUS) – será, certamente, a prioridade por parte dos governos. Estes, direta ou indiretamente, impulsionam mais de 70% dos investimentos globais em energia e têm hoje uma oportunidade histórica de os direcionar para um caminho mais sustentável, acelerando a transição de energia limpa e alavancando simultaneamente a economia (a AIE estima que se possam criar 42 milhões de empregos em todo o mundo até 2050 no setor das energias renováveis).

a pandemia e o colapso dos preços do petróleo oferecem uma oportunidade única para considerar uma nova abordagem e viabilizar a transição energética de forma sustentável

Anabela Bento

O que se decidir a seguir é crucial para o nosso futuro energético. Alcançar um desenvolvimento económico robusto, sem retomar o mesmo nível de emissões que aconteceram noutras crises anteriores, exigirá que os governos assumam a liderança na procura de  saídas para acelerar o desenvolvimento e a implantação  de uma gama completa de soluções e tecnologias.

Uma abordagem sistémica

Sabemos bem que a energia é um facilitador crítico da prosperidade e do crescimento económico e que a estabilidade dos mercados globais de energia é essencial para sustentar a indústria moderna e a sociedade. Sabemos também que as principais tecnologias renováveis, como a solar e a eólica, estão  cada  vez mais evoluídas. A captura de hidrogénio  e  de  carbono necessita ainda de grandes investimentos para se poderem  dimensionar e  reduzir custos. Também  aqui, a economia atual pode ser o motor de financiamento de projetos mais acessíveis, fruto das taxas de juros mais baixas. Os governos podem tornar a energia limpa ainda mais atraente para os investidores privados, fornecendo garantias e contratos para reduzir os riscos financeiros.

Temos, neste momento, a opção de lançar estratégias, reiniciando o sistema e investindo numa recuperação que acelere a transição energética. Uma abordagem sistémica para este processo  requer uma ação  concertada e simultânea em várias soluções – incluindo as energias renováveis, a eficiência energética, a circularidade da economia, o corte de emissões de combustíveis fósseis e a construção de capital humano para o futuro sistema energético. À medida que as empresas estão a revisitar as suas estratégias de investimento de longo prazo, as perspetivas estão abertas.

Aproveitemos esta oportunidade. O ISQ dispõe de diversos serviços para ajudar a encontrar soluções para esta abordagem sistémica. Ajudemos a fazer deste um mundo mais equilibrado, que promova a estabilidade nos mercados de energia e que valorize a segurança e a sustentabilidade, tornando-o mais equitativo.

0 3

Business Development Manager no ISQ. Administradora na dBwave.i Acoustic Engineering. Previamente Diretora da QART.pt e Business Development Project Manager no ISQ Internacional. Doutoranda em Alterações Climáticas e Políticas de Sustentabilidade da Universidade de Lisboa. Formação académica em Engenharia, formação pós-graduada em Gestão de Projetos pela Universidade Católica Portuguesa e WBCSD – World Business Council for Sustainable Development.

insights relacionados

mais tópicos

Aeronáutica/Aeroespacial (8) Agricultura e Agroindústria (1) Energias Renováveis (7) hidrogénio (7) Indústria 4.0 (8) Inovação (10) Saúde e Life Sciences (4) Sustentabilidade (25) Tranformação Digital (7) Turismo (2)

+ insight

Política de Privacidade

Contribua


Sendo um projeto iniciado pelo ISQ, o insight está aberto a contributos de todos que queiram participar e possam trazer a sua visão, estudos científicos e opinião fundamentada para enriquecer os temas e o debate.

Se a sua atividade está ligada à investigação ou à análise e implementação de medidas nos tópicos aqui debatidos, contacte-nos com o formulário anexo.