ISQ | Mais um projeto ISQ reconhecido pela European Commission, no âmbito dos ...

Queremos transformar os resultados de projetos de I&D em novos serviços

Inovação, Indústria 4.0, Tranformação Digital

O ISQ quer reforçar a oferta de valor e a competitividade na área da Investigação & Desenvolvimento e Inovação a uma escala global. Esta é a missão da nova direção criada no início do ano e liderada por Ricardo Rato

Ricardo Rato assumiu em janeiro de 2019 a liderança da nova Direção de Investigação & Desenvolvimento e Inovação (I&Di) do ISQ. Explica que a mudança organizacional se insere na aposta estratégica que visa potenciar a inovação e agilizar a criação de produtos e serviços com aplicação no mercado. O objetivo é o de “potenciar o desenvolvimento de novos serviços, com maior incorporação tecnológica e de conhecimento, que reforcem a oferta de valor e a competitividade do ISQ no mercado globalizado”, explica o diretor de I&Di do ISQ.

Que razões levaram o ISQ a fazer, nesta fase, uma aposta estratégica na área de I&D?

A área de I&Di tem sido uma aposta estratégica de longa data do ISQ, constituindo um dos pilares do seu crescimento e um fator de diferenciação nos seus mais de 50 anos de história.

Esta aposta estratégica foi reforçada nos últimos dois anos devido à intensa velocidade de transformação tecnológica que está a acontecer no tecido económico e na nossa sociedade, que tem sido apelidada de 4ª Revolução Industrial, alavancada por um conjunto de tecnologias emergentes, como são a Internet das Coisas, o Big Data, a Inteligência Artificial, a Simulação, a Realidade Aumentada, a computação na nuvem, a Robótica Autónoma, a Cibersegurança e a Manufatura Aditiva.

Esta evolução para uma Indústria 4.0 tem sido acompanhada por desafios associados à Sustentabilidade Ambiental do nosso planeta, que estão a impulsionar a transição para um modelo de Economia Circular e de Baixo Carbono.

Assim, o ISQ decidiu reforçar as suas competências e capacidades nestas áreas emergentes, de modo a desenvolver soluções inovadoras que possam dar resposta aos desafios que as empresas enfrentam na integração destes conceitos e tecnologias nos seus processos de negócio.

Como é que essa aposta está a traduzir-se na estrutura, nos serviços e nos projetos do ISQ?

Esta aposta evidencia-se com o crescimento da equipa de I&Di nos últimos anos, em número e diversidade de competências, verificando-se que cerca de metade dos elementos da equipa foram contratados nos últimos dois anos.

Este aumento de equipa foi acompanhado, no início deste ano, por uma mudança na estrutura organizativa das atividades de I&Di no ISQ. Com a criação da Direção de I&Di, passaram a estar concentrados todos os esforços nesta área, para uma melhor coordenação e planeamento.

A nova Direção visa potenciar o desenvolvimento de novos serviços, com maior incorporação tecnológica e de conhecimento, que reforcem a oferta de valor e a competitividade do ISQ no mercado globalizado. Assim, existe um claro objetivo de transformar os resultados de projetos de investigação e desenvolvimento em novos serviços, estando de momento vários destes a serem prototipados para a sua introdução no mercado.

TQ8 Page 03 Image 0003 1

nova estrutura organizativa

Ricardo Rato lidera a nova direção de i&di, que reflete o crescimento e a aposta estratégica que o ISQ tem feito nesta área, sobretudo nos últimos dois anos.

Dentro da área de I&D, em que setores é que a presença do ISQ é mais forte?

Os setores onde temos uma presença mais forte e onde estamos a concentrar os nossos esforços são a Indústria, com especial destaque para a indústria da manufatura, atuando ao nível das tecnologias de produção, dos materiais e da integração de mais inteligência nos seus processos produtivos; a Energia, atuando no desenvolvimento de novas soluções de Eficiência Energética, bem como nas Energias Renováveis na vertente da gestão destes ativos; os Transportes, com especial foco na aeronáutica e no automóvel; o Ambiente e Recursos Naturais, desenvolvendo ferramentas de apoio à indústria com vista ao aumento da eficiência no uso de recursos e à implementação de modelos de negócio circulares; e o setor Agroalimentar, promovendo a transformação digital do setor agrícola, a bioeconomia circular e o combate ao desperdício.

Em termos de geografias, onde é que esta área está mais desenvolvida? Com que características?

Atualmente, a equipa de I&Di está localizada em Oeiras e em Vila Nova de Gaia, desenvolvendo e coordenando, a partir de Portugal, projetos de escala europeia, onde os desenvolvimentos a nível nacional são alvo de teste, implementação e demonstração noutros países europeus. Ao mesmo tempo, está a ser feito um esforço importante para internacionalizar novos serviços baseados em resultados de projetos de I&D para as outras geografias onde grupo ISQ está estabelecido.

Que projetos em curso são mais emblemáticos em matéria de I&Di?

Atualmente, o ISQ tem no seu portfólio 64 projetos de I&Di, na sua maioria desenvolvidos em consórcio, apresentando cada um deles um desafio tecnológico e de inovação distinto. A nível europeu destacam-se três projetos:

  1. o projeto MAESTRI, dedicado ao desenvolvimento de uma plataforma inovadora que facilite a gestão de energia e recursos na indústria, no qual o ISQ é o coordenador e que conta com quatro parceiros nacionais, tendo sido o primeiro projeto com coordenação portuguesa no subprograma das Indústrias de Processo Sustentáveis do Programa Europeu Horizonte 2020;
  2. o projeto PASSARO, relativo ao desenvolvimento de aeroestruturas multifuncionais e inteligentes, pela projeção nacional no contexto europeu no setor aeronáutico;
  3. o projeto SAM dedicado à criação de uma estratégia europeia de competências e qualificações para o setor da Manufatura Aditiva.

o ISQ reforçou a aposta na área de I&DI nos últimos dois anos devido à intensa velocidade de transformação tecnológica.

Ricardo Rato

E a nível nacional?

Destacam-se outros três projetos:

  1. o SIM4.0, coordenado pelo ISQ, que visa transferir conhecimento na área da Indústria 4.0, pela relevância e atualidade da temática;
  2. HUB4AGRI, também coordenado pelo ISQ que é o primeiro Hub Digital para promover a transformação digital do setor agrícola em Portugal e
  3. o INFANTE que ambiciona o desenvolvimento e demonstração em órbita de um microssatélite, totalmente desenvolvido e construído pela indústria portuguesa.

Quem são os principais parceiros nesta área?

Durante os mais de 30 anos de I&Di no ISQ, construiu-se uma vasta e sólida rede de parceiros nacionais e internacionais, que é muito diversificada. Dado o cariz de interface que o ISQ apresenta, estamos tão perto das necessidades empresariais como dos centros de conhecimento.

Assim, em Portugal temos como parceiros desde grandes empresas, até PMEs, nos mais variados setores da economia, passando pelas Universidades e Centros Tecnológicos, com o objetivo de criar redes e parcerias entre atores e entidades com competências diversas e complementares, abrangendo toda a cadeia de valor. Só assim se conseguem ultrapassar os atuais desafios de desenvolvimento tecnológico.

A nível europeu, destaca-se a colaboração com empresas multinacionais – caso da AIRBUS, Honeywell e VESTAS – , com centros de investigação de referência – caso da TECNALIA, Fraunhofer, SINTEF e AIT – e com algumas das melhores universidades europeias. Neste caso, são exemplo a Universidade de Cambridge, Universidade de Chalmers, Politécnico de Milão, Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia e Universidade de Sevilha.

Que papel assume o ISQ nestas parcerias?

O ISQ assume vários papéis. Como objetivo prioritário, assumimos o papel de entidade coordenadora em projetos destinados à investigação e desenvolvimento de ideias geradas pelo ISQ. De referir que o ISQ é atualmente coordenador de sete projetos, quatro europeus e três nacionais. Dada a nossa sólida experiência, competências e a vasta rede de parcerias nacionais e internacionais, o ISQ é também convidado para integrar projetos desenvolvidos por outras entidades. Assumimos, neste caso, o papel de parceiro, contribuindo com um largo espetro de atividades, que vão desde o desenvolvimento de tecnologia, a realização de testes e ensaios, a validação de soluções, o desenvolvimento de conteúdos e metodologias formativas e a disseminação dos projetos e seus resultados.

Quais são os objetivos traçados para o futuro em matéria de I&Di?

Os objetivos são muito ambiciosos, passando pela consolidação e crescente expansão desta atividade, de modo a podermos aumentar a nossa capacidade de resposta às crescentes necessidades e desafios das empresas nacionais, face à transformação tecnológica e às estratégias e políticas nacionais e europeias.

Para isso, em 2019-2020, está previsto o reforço da equipa com competências em áreas emergentes, através da contratação de mais 14 doutorados, bem como a expansão das capacidades tecnológicas com realização de investimentos em novos equipamentos, nomeadamente nas áreas da Manufatura Aditiva e dos Sistemas Inteligentes.

Temos, igualmente, a ambição de intensificar a nossa participação em programas europeus de I&Di, antecipando a entrada do próximo Programa Quadro de Investigação e Inovação, o Horizonte Europa, estando previsto a nossa adesão a um conjunto de plataformas tecnológicas europeias, alargando a nossa rede de parceiros. Destaque-se, por fim, o objetivo de potenciarmos a componente de inovação, isto é, a transformação dos resultados dos projetos em oferta de valor no mercado, estando para isso várias dinâmicas a serem desenvolvidas e afinadas com o intuito de darmos resposta a este desígnio.

TQ8 Page 03 Image 0003

Diretor de Investigação & Desenvolvimento e Inovação ISQ

insights relacionados

mais tópicos

Aeronáutica/Aeroespacial (8) Agricultura e Agroindústria (1) Energias Renováveis (7) hidrogénio (7) Indústria 4.0 (8) Inovação (9) Saúde e Life Sciences (4) Sustentabilidade (25) Tranformação Digital (7) Turismo (2)

+ insight

Política de Privacidade

Contribua


Sendo um projeto iniciado pelo ISQ, o insight está aberto a contributos de todos que queiram participar e possam trazer a sua visão, estudos científicos e opinião fundamentada para enriquecer os temas e o debate.

Se a sua atividade está ligada à investigação ou à análise e implementação de medidas nos tópicos aqui debatidos, contacte-nos com o formulário anexo.