AdobeStock 304971996

A função da segurança tornou-se extremamente importante

COVID-19

com João Safara, Administrador do ISQ

É UM TEMA DO QUAL NÃO SE PODE FUGIR. COM TODAS AS ALTERAÇÕES QUE O NOVO CORONAVÍRUS TROUXE AO MUNDO, O ADMINISTRADOR EXECUTIVO DO ISQ, JOÃO SAFARA, EXPLICA QUAL É O IMPACTO QUE OS SERVIÇOS DO ISQ PODEM TER NA SEGURANÇA DAS PESSOAS NESTA ALTURA.

Tendo em conta a função de segurança de muitos serviços do ISQ, de que modo se tornou mais crucial nesta época de pandemia?

No atual contexto em que vivemos, a segurança dos nossos stakeholders tornou-se crítica. A proteção da saúde de todos os colaboradores, fornecedores e clientes é fundamental para se estar no mercado de forma sustentável. Além da questão da responsabilidade civil e da continuidade da operação, existe uma questão-chave para se tirar o melhor de uma organização: a moral e o respeito pelas pessoas. Sem pessoas saudáveis não existem organizações saudáveis. Acreditamos que a entidade que tiver cuidado e respeito pelos seus stakeholders vai ser compensada pelos mesmos a médio prazo. A larga maioria das empresas clientes do ISQ também pensa assim. Como tal, a função da segurança tornou-se extremamente importante para a continuação das organizações.

Este contexto exigiu a criação de serviços ou produtos? Quais e qual a importância?

Sim, o ISQ foi bastante ágil a pensar onde poderia ser útil no mercado e constatou-se que na área da Segurança deveria criar um serviço de mitigação do risco da COVID-19. Envolve a identificação dos fatores de risco, revisão ou criação de um plano para as instalações de cada cliente, monitorização de processos ou produtos de limpeza, e análise a amostras de objetos com maior risco devido ao seu uso ou à sua localização, através de testes baseados em cadeia de polimerase (PCR). Este novo serviço é o COVID OUT.

AF TQ10 300 dpi — spreads Page 05 Image 0007 edited

Que investimentos e mudanças foram necessários para dar resposta às exigências criadas por este contexto?

A principal mudança é sempre no plano dos recursos humanos. Temos a responsabilidade de despertar e favorecer um mindset de mudança e inovação, para que as pessoas não fiquem presas ao medo que a situação atual possa trazer. E, apesar das circunstâncias que vivemos por estarmos mais afastados, esse mindset esteve sempre presente e foi crucial para a agilidade requerida. Em termos de investimentos fixos, estamos a analisar o reforço da capacidade do laboratório QFA em matérias de biologia molecular.

No âmbito da Responsabilidade Social, que iniciativas desenvolveu o Grupo ISQ para apoiar a sociedade e a economia portuguesas nesta fase?

Sem prejuízo de algumas ajudas esporádicas mas importantes, a nossa preocupação foca-se em salvaguardar a continuidade das operações do Grupo ISQ, pois temos mais de 1.300 famílias que dependem desses vencimentos.
Se conseguirmos alimentar essas famílias nesta época de mudança e volatilidade extrema, e continuar a cuidar dos nossos clientes, como pagar atempadamente aos nossos fornecedores, a nossa responsabilidade social torna-se automaticamente realizada.

JS

João Safara

É desde abril de 2014 Vogal do Conselho de Administração do ISQ.
De maio de 2011 a março de 2014 integrou o Conselho de Administração da FundBox- Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário tendo aí desempenhado, desde fevereiro de 2003, a função de Diretor de Operações. Ainda na FundBox, foi, de novembro de 2005 a março de 2014, Administrador e Vogal da Comissão Executiva.
O seu percurso profissional passa ainda pelo Banco Finantia, como responsável pela contabilidade, pela Deco Proteste e Caixagest.

Também lhe pode interessar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *